Há muito tempo atrás eu comecei a captar imagens. Ainda lembro do meu primeiro casamento, onde fui como assistente, e graças ao meu colega fui empurrado à pegar a câmera e pela primeira vez gravar um casamento no Piazza Demarchi em São Bernardo do Campo. Lembro claramente do sorriso da noiva durante a recepção.

Quando eu paro para lembrar, aos poucos vêm surgindo cada um desses momentos até aqui. Não sei dizer ao certo o por que alguns casais ficam marcados mais na memória do que outros.

Gosto de lembrar de cada um. De alguma forma eles ajudaram com que eu chegasse até aqui.

Prefiro me chamar de contador de histórias do que fotografo ou cinegrafista ou editor. E tenho que revelar um segredo, desde de que conheci minha esposa quero escrever um livro. Talvez para ela ler ou para eu ter a sensação de que consegui. Não sei ao certo dizer. Mas enquanto não saio da primeira linha que é reescrita, revista, revisada, apagada e refeita com certa periodicidade, vou conhecendo as histórias de vocês.